Pergunta & Resposta: Luís Carballo + Pedro Gramaxo

30.04.2014

Pergunta: 

  

«A utilização dos espaços públicos da cidade está condicionada pela experiência das pessoas, relacionada com o físico, o visual, a confortabilidade, a estética ou com a capacidade de usufruto precisamente desse espaço público.


De que maneira a tendência arquitetónica minimalista que vemos em praças e espaços públicos pode interferir numa redução do uso por “falta de interesse ou de interação” em relação a espaços com maior diversidade funcional, com diferentes áreas de interesse e/ou com zonas verdes bem acondicionadas?»

 

Luis Carballo, empresário da Taberna Moderna

 

Resposta:

   

«A “falta de interesse ou interação” por parte do cidadão em relação ao espaço público é o reflexo da “falta de interesse ou interação” do seu autor.

 

A tendência arquitetónica minimalista é confundida com alguma frequência com a tendência arquitetónica “facilitista”.

 

O minimalismo (como movimento artístico) é um tema agradavelmente controverso, pois apesar do seu nome, está assente em premissas complexas de equilíbrio geométrico e elegância de detalhe.


A falta de conhecimento de tais premissas aliada a uma corrida cega à estética contemporânea infundada, traz-nos por vezes uma ‘linguagem’ arquitectónica descaracterizada, descuidada e desinteressante, adjectivos que se espelham automaticamente no espaço público.

 

Na carência de um modo de expressão, o já gasto Minimalismo, é uma apropriação fácil e o insucesso na produção de espaço público não está na sua linguagem mascarada, mas na ausência da filosofia da qual é ela proveniente.

 

Pedro Gramaxo

 

(Os autores escrevem, por opção, ao abrigo do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa)

TAGS: espaços públicos , Luis Carballo , Pedro Gramaxo , Pergunta & Resposta
Vai gostar de ver
VOLTAR