Opinião João Gavião: «Passive House, mais do que a soma das partes»

02.02.2015

Ocorre sempre no final de cada ano, mais precisamente no final do mês de Novembro, o maior evento relativo à Passive House em Portugal. A 2ª Conferência Passivhaus Portugal 2014 decorreu no dia 29 de Novembro de 2014 no Centro Cultural e de Congressos de Aveiro e a próxima edição, a 3ª Conferência Passivhaus Portugal 2015, está já agendada para 28 de Novembro de 2015.

 

Esta segunda edição do evento mostrou um grande crescimento em relação à primeira edição em 2013. A conferência, que contou com a participação de 190 pessoas, teve quatro blocos de apresentações e uma exposição que decorreu no foyer do auditório, com a participação de catorze empresas que expuseram os seus produtos e soluções adequadas à Passive House.

 

Desta conferência é possível destacar-se o painel internacional, com o excelente contributo de oradores oriundos da Alemanha, Espanha e Itália, ou o painel relativo às soluções Passive House, onde ficou expressa a qualidade da oferta que já está disponível no mercado nacional, ou os exemplos de projectos Passive House concluídos e em curso, ou até mesmo o anúncio de Águeda como o primeiro Município Passive House.

 

No entanto, a grande marca que fica desta conferência, mais do que a soma de cada valiosíssima apresentação (disponíveis aqui em pdf e vídeo) é a Rede Passivhaus que foi criada e está em franco crescimento.

 

A rede Passivhaus pretende reunir e ligar, sob a mesma ideia de eficiência energética, conforto, qualidade e sustentabilidade, num primeiro nível, os agentes ligados à concepção (Passive House Designers) e à implementação (Passive House Tradespersons) e as empresas (fabricantes e representantes de produtos e soluções Passive House) e num segundo nível as universidades e institutos, os municípios Passive House e outras redes e plataformas. No fundo, a rede Passivhaus pretende unir todos os intervenientes directos e indirectos na realização de uma Passive House, unir o projecto, a obra, as soluções, a investigação e desenvolvimento, os municípios e as plataformas.

 

Da mesma forma que uma Passive House é mais do que um edifício com excelente isolamento térmico, ou com excelentes janelas ou que garante uma eficiente ventilação ou uma elevada estanquidade ao ar, também no processo para se conseguir uma Passive House não basta ter excelentes projectos, ou excelentes construtores ou ter acesso a soluções e produtos de superior qualidade e desempenho. Apenas a boa concepção associada a uma implementação competente e capaz e a soluções e produtos de elevada qualidade permite alcançar o produto de excelência que é a Passive House e de forma custo-eficiente.

 

João Gavião é arquitecto na Homegrid e um dos fundadores da Associação Passivhaus Portugal.

TAGS: Opinião , João Gavião , Passive House , Homegrid
Vai gostar de ver
VOLTAR